Pardal Henriques: serviços mínimos estão a ser cumpridos "com uma pistola apontada à cabeça"

No segundo dia da greve dos motoristas, Pedro Pardal Henriques, advogado do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, diz que os serviços mínimos "continuam a ser cumpridos", mas agora com "uma pistola apontada à cabeça" devido à requisição civil, que considera "mais uma manifestação de força" por parte do Governo.

E acrescenta que os trabalhadores fazem oito horas de trabalho e dão por terminado o serviço, motivo pelo qual "é normal que fiquem coisas por fazer".