"Primeira Mão": risco da nacionalização da Efacec está na indemnização a Isabel dos Santos

O risco para o Estado na nacionalização da Efacec está na indemnização a pagar a Isabel dos Santos. Na rubrica “Primeira Mão”, o jornalista Pedro Santos Guerreiro explicou que o processo pode levar a queixas em tribunal de Isabel dos Santos. 

O objetivo do Governo é fazer uma nacionalização provisória, ficando com a participação de Isabel dos Santos durante alguns meses, para depois vendê-la. 

No processo de venda da Efacec, que decorre paralelamente, serão selecionadas três propostas na próxima semana para a fase final, duas portuguesas e uma egípcia.

Resta saber quanto vai o Estado pagar a Isabel dos Santos pela su participação e por quanto vai depois vendê-la. Se o processo decorrer sem surpresas, o risco de o Estado perder dinheiro está na diferença entre estes dois valores, a que acresce um empréstimos imediato próximo de 50 milhões para dar liquidez à Efacec. 

É provável que Isabel dos Santos não concorde com o valor da indemnização a definir pelo Estado, acrescentou Pedro Santos Guerreiro, o que pode abrir novos processos judiciais. Da equipa de de defesa da empresária, liderada por Paulo Saragoça da Matta, fazem parte os escritórios de Germano Marques da Silva e de José António Barreiros. Também Marco António Costa, ex-secretario de Estado da Segurança Social do governo de Passos Coelho, é agora advogado de Isabel dos Santos nos processos administrativos relacionados com a Efacec.

Sobre "Notícias"