A recuperação total do tempo de serviço dos professores e outras carreiras especiais não custa 800 milhões de euros, como diz o Governo. A Unidade Técnica de Apoio Orçamental fez as contas à despesa líquida. Apurou que essa medida custaria 567 milhões de euros por ano e não poria em causa as metas de Bruxelas.