O jurista Paulo Graça acredita que a greve dos motoristas, ao estar marcada em período de férias, leva o Governo a avançar para a requisição civil se não forem cumpridos os serviços mínimos.