Setúbal: estivadores exigem contrato colectivo de trabalho para todos os precários

O porto de Setúbal acumula já 11 dias de greve dos estivadores e há milhares de viaturas fabricadas na AutoEuropa parqueadas à espera de serem exportadas. A empresa que gere o movimento do porto veio diz ter intenção de contratar 30 pessoas, mas os estivadores só aceitam um contrato coletivo de trabalho que venha a abranger os 90 precários.