«Ele [Passos] que desenlace aquele novelo e depois falamos»

Almeida Santos, enquanto presidente da Assembleia da República entre 1995 e 2001, assinou o despacho que permitiu a Pedro Passos Coelho receber o subsídio