Ex-porta-voz da PJM diz-se arrependido e quer esclarecer o sucedido

O único militar que falta ser ainda ouvido escreveu nas redes sociais que está "arrependido pela operação de encobrimento montada em torno da recuperação das armas, mas de consciência tranquila". Na conta pessoal do Facebook, o Major Vasco Brazão garantiu que não é criminoso e mostrou-se disponível para prestar todos os esclarecimentos. O major está na Republica Centro-Africana e regressa terça-feira a Lisboa para ser ouvido.