Fenprof ainda acredita em solução, mas não com Governo

Executivo insista nos dois anos, nove meses e 18 dias de recuperação do tempo de serviço. Mário Nogueira mostra um  caminho novo que se pode seguir,