Global: conflitos no Golfo Pérsico “são comportamentos de gangsters e não de Estados civilizados”

No espaço de comentário “Global”, deste domingo, no Jornal das 8 da TVI, Paulo Portas analisou a tensão que existe no Golfo Pérsico, as eleições em Israel e a inexistência de um governo em Espanha.

O comentador da TVI defendeu que a escalada de tensão no Golfo Pérsico deve-se ao facto de “o mundo atual não ter uma ordem política. Não há com quem falar para atenuar uma situação de conflito”.

Considerou o ataque às petrolíferas da Arábia Saudita “gravíssimo”.

“São comportamentos de gangsters e não de Estados civilizados”, acrescentou.

Chamou a atenção para o facto de Israel ser a única democracia do Médio Oriente e considerou que Benjamin Netanyahu “se encostou tanto à direita ortodoxa, que perdeu a direita laica”.

“A vida já foi melhor para Netanyahu”.

No que toca ao impasse espanhol, Paulo Portas afirmou que dois anos com quatro eleições “não diz muito bem da classe política, porque é uma grande irresponsabilidade estarem a chamar pela quarta vez para eleições”.

Alertou ainda para o facto de nunca ter existido uma coligação no governo central de Espanha.

Na ótica do comentador da TVI, as pessoas que vão votar em novembro, estão mais inclinados para a direita do que para a esquerda e “isso é o contrário do que aconteceu nas últimas eleições”.

Houve ainda tempo para um breve comentário sobre o crescimento económico para 2019 e 2020, a nível mundial, previsto pela OCDE e sobre os rumores de que a Google está muito próxima do computador quântico completo.