Imigrante foi ameaçada por agentes do SEF para não dizer o que viu

Uma imigrante brasileira de 44 anos, que passou dois meses retida no Centro de Instalação Temporária do aeroporto de Lisboa e é testemunha privilegiada de alegados crimes violentos praticados por inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, nomeadamente contra o ucraniano Ihor Homeniuk, está sob ameaça de elementos daquele órgão de polícia criminal que  para que se mantenha em silêncio.

Surgiram duas vezes em casa da vítima, para que não testemunhe em tribunal, mas a imigrante já  ripostou com uma queixa-crime a que a TVI teve acesso. 

Sobre "Jornal das 8"