A polémica dos submarinos que abriu fraturas entre os aliados ocidentais

Mais de uma semana depois de ser anunciada, a parceria de segurança entre Estados Unidos, Reino Unido e Austrália continua a motivar polémica.

O Aukus, como foi batizado, visa, ainda que de forma não declarada, servir de contrapeso ao expansionismo chinês na região do indo-pacífico. E a irritação de Pequim é prova disso.

Mas a China não tem sido a crítica mais feroz do acordo. Esse papel tem sido assumido por Paris.

Em causa a perda de um negócio multimilionário, que previa a renovação da frota submarina australiana com navios de tecnologia francesa. Uma frota que, afinal, vai ser renovada com submarinos nucleares, construídos com ajuda dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Sobre "Observare"