"Claro que há medo, claro que há pânico, mas não se pode ceder"

Rita Viterbo Faria, uma portuguesa a viver em Manchester, conta como se tenta voltar à normalidade na cidade onde um ataque fez 22 mortos e 59 feridos