Macron não retira a polémica expressão de que a NATO está em "morte cerebral"

Acabou de forma tensa e ao mesmo tempo anedótica a cimeira da NATO.

Donald Trump anulou a conferência de imprensa final e partiu mais cedo para os Estados Unidos, depois de perceber que os líderes do Canadá, Reino Unido, França e Holanda estavam a falar dele.

Este desfecho não ajuda a perceber se a cimeira foi ou não um sucesso.

Se por um lado o secretário-geral da organização considerou que a cimeira foi um êxito, por outro, Emmanuel Macron não retira a polémica expressão de que a NATO se encontra em "morte cerebral".

Sobre "Jornal das 8"