Primeiro o divórcio, depois as negociações

O aviso de Donald Tusk a Londres