Miguel Matias: "Esta dissertação devia chamar-se 'Eu e a Justiça Penal'"