Na maior empresa de distribuição do país não há nenhum motorista a fazer greve, mas por paradoxal que possa parecer, os efeitos do protesto fazem-se sentir, porque o racionamento do combustível perturba a normal circulação dos camiões.