"O importante é que se use máscara. Essa é a primeira regra"

Perante a ameaça das novas variantes do coronavírus, que são mais contagiantes, os especialistas são unânimes na necessidade de reforçar as medidas de proteção e surgem dúvidas sobre o uso das chamadas máscaras comunitárias. António Morais, presidente da Fundação Portuguesa de Pneumologia, afirma que o mais importante é que se use máscara. "Essa é a a primeira regra", diz.

"A máscara cirúrgica se for usada por todos tem uma proteção à volta dos 90%, o que é uma proteção elevada. As máscaras comunitárias, se forem certificadas, têm esse nível de proteção. O problema é que há uma variedade de máscaras deste tipo que não estão certificadas e poderão não estar a devida proteção, quer a quem a usa quer a quem contacta com essa pessoa", considera este especialista.

Por isso, num a fase de maior de maior transmissibilidade, "as pessoas devem usar pelo menos a máscara cirúrgica", sublinhando que é importante cumprir as regras do uso, colocando-a corretamente no rosto e trocar de máscara ao fim de quatro horas. 

Sobre "Notícias"