Miguel Sousa Tavares considerou que o Brasil tem o direito de exploração da floresta da Amazónia, mas também tem o dever "histórico" de conservá-la.