Passos: sacrifícios maiores que o esperado

Primeiro-ministro admite que 2012 vai ser ano mais exigente do que pensava