A "visão crítica" do PSD

Pedro Passos Coelho foi recebido pelo Presidente da República e anunciou que o partido não vai requerer a votação no parlamento nem do Programa de Estabilidade, nem do Programa Nacional de Reformas