Portugal tem «processo estranho de deter para interrogar»