Crise não passou, na opinião de mais de metade dos inquiridos, que está preocupado com o desemprego, mas também com as questões da saúde. Por isso preferem pagar mais e comer, por exemplo, carne sustentável ou serem taxadas nos alimentos mais prejudiciais