«Se Estado indemnizar os professores, imagine com o Citius»

O advogado Proença de Carvalho afirma que a justiça portuguesa não melhorou nas últimas décadas e que poderá até ter piorado. A propósito da decisão do ministério da Educação de indemnizar os professores prejudicados pelos erros nos concursos, Proença de Carvalho chega mesmo a dizer que, se esse precedente fosse aplicado aos prejudicados pela falha do Citius, o Estado teria que «abrir os cordões à bolsa»