“Ainda me custa um pouco recordar o que aconteceu”

Diogo Silva, vítima de Pedrógão Grande, ficou com marcas no corpo, mas garante que as cicatrizes da memória são as mais difíceis de sarar. “Punha-me no lugar das pessoas que perderam crianças. Isso foi o que custou mais”, afirmou.