Há mais um arguido no caso de Tancos. Trata-se do diretor de Investigação Criminal da GNR,  que já foi entretanto suspenso de funções. Amândio Marques estaria a par do plano para recuperar as armas, mas não o denunciou. Também o coronel Taciano Correia, que o antecedeu na função estará prestes a ser constituído arguido.