Doentes portugueses demoram quase dois anos a ter acesso a fármacos inovadores

Os portugueses são dos europeus que mais têm de esperar por medicamentos inovadores. São também os utentes mais medicados com ansiolíticos e antidepressivos.