Está marcada a greve na Função Pública para dia 15 de fevereiro

A Frente Comum decidiu avançar com a paralisação, a que se juntou também a FESAP da UGT, que admite fazer greve mais do que um dia. A federação da CGTP contesta o aumento do salário mínimo no Estado para 635 euros, deixando de fora 600 mil funcionários públicos, e mexidas na ADSE.