Esteve mais um ano preso por um erro da Justiça

Justiça portuguesa terá errado ao acusar homem de homicídio qualificado. O suspeito esteve mais de um ano em prisão preventiva e sempre disse estar inocente. O julgamento está a chegar ao fim e o Ministério Público admite agora falhas na investigação. Pediu, nas alegações finais, a absolvição do arguido.