O fim das taxas moderadoras, aprovado no Parlamento, vai custar mais de 100 milhões de euros ao Estado. Só se mantêm as taxas cobradas nas urgências hospitalares, que são uma minoria. Os administradores hospitalares dizem estar preocupados com a perda de receita