"Gastaram dinheiro, fizeram ajustes e depois é que fazem contratos?"

Nuno Tavares Pereira, Movimento Associativo Apoio a Vítimas dos Incêndios de Midões, falou sobre os ajustes diretos feitos para a reconstrução de casa no centro do país.

Quase um ano depois dos incêndios de 15 de outubro na zona centro do país, está ainda tudo por fazer. Há crianças a viver em rulotes e tendas. A TVI percorreu os concelhos de Oliveira do Hospital, Seia, Tábua e Arganil, e o que encontrou é dramático. Em dois destes concelhos, ainda nenhuma das casas ardidas foi reconstruída, num processo que levanta muitas dúvidas e da responsabilidade da CCDR Centro, que optou por adjudicar obras por ajuste direto a empresas que terão recebido cerca de 13 milhões de euros.