Há instituições com camas da rede nacional de cuidados continuados em sérias dificuldades financeiras. Dizem que o Estado lhes paga abaixo do preço de custo e que provavelmente vão mesmo fechar portas. A rede nacional tem neste momento 1500 pessoas em lista de espera.