Rui Diogo defende que não há fundamentos biológicos que expliquem a escolha de apenas um parceiro para uma relação