Maior parte dos edifícios de Lisboa não resiste a sismos de grande intensidade

Em mais de seis mil instituições públicas e empresas por todo o país a terra tremeu. O simulacro a nível nacional decorreu acima de tudo em escolas e levou mais de 650 mil pessoas a treinar o que devem fazer em caso de sismo. Mas há um aviso preocupante por parte dos especialistas: se houver na realidade um sismo de grande intensidade, a maior parte dos edifícios da capital não vai resistir. João Azevedo, presidente da Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, esteve no Jornal das 8 para explicar porquê.