Morte de comandos: procuradora do caso constituída arguida

Procuradora do caso das mortes no curso de comandos foi constituída arguida. Um dos militares deste processo acusa a magistrada de sete crimes de prevaricação: Cândida Vilar arrisca uma pena de prisão até oito anos.