O juiz Neto de Moura diz que os casos de violência doméstica que julgou "não são particularmente graves" e considera fazer sentido citar a Bíblia para fundamentar acórdãos sobre agressões motivadas por infidelidade conjugal. Em entrevista ao jornal Expresso, o magistrado mostra-se inconformado com a transferência para uma secção cível, ficando assim impedido de julgar mais casos de violência doméstica