A defesa do fundador da Lusiaves e o juiz de instrução consideram que os crimes já prescreveram. O ministério público pensa de forma diferente