“Se um dador morrer a amostra genética também é destruída? Não”

 O professor do Departamento de Biomédica da Universidade de Coimbra, Rafael Vale Reis, explica que Ângela pode optar pela via judicial, que pode vir a considerar que a norma está desatualizada. Alexandra Borges questiona se a dádiva de um dador que tenha morrido também é destruída e recebe uma resposta negativa de Rafael Vale Reis.

Sobre "Alexandra Borges"