Testes nas escolas: “Mais vale tarde do que nunca, mas chegam tardíssimo”

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, diz que, segundo os especialistas, o ensino presencial, neste momento, representa um perigo para a saúde pública.

O sindicalista lembra ainda que os testes rápidos que vão começar a ser feitos nas escolas, como anunciado por António Costa, já deviam estar a ser feitos há muito tempo.

Sobre "Notícias"