A FIGURA: Pizzi
Está nos três golos do Benfica. Com menos minutos do que em épocas anteriores, a preponderância é a mesma quando é chamado a intervir. Bate o canto que dá o autogolo de Alfa Semedo, aponta o segundo golo e abre caminho para Radonjic no terceiro golo encarnado. Intervenções certeiras em três dos principais lances do encontro. Não deu foi para tudo o capitão encarnado.  

O MOMNETO: golo de Bruno Duarte (83’)
Lance na sequência de um pontapé de canto cobrado no lado direito com a bola a viajar até ao lado esquerdo, onde Lameiras arma o remate de primeira. Um remate que se traduziu numa assistência para Bruno Duarte, que à segunda, depois de tentar um primeiro remate, consegue fazer o empate de cabeça.

OUTROS DESTAQUES

André André
Entre uma ameaça de descalabro do V. Guimarães, o capitão parece nunca ter perdido o norte. Está nos dois golos do primeiro tempo. Marco o primeiro num lance em que prevaleceu a sua insistência, e abre espaço para Sacko progredir no segundo.

Gonçalo Ramos
Não marcou, mas trabalhou muito em prol da equipa. Foi das suas ações, a atrair a última linha adversária, que saíram as principais movimentações capazes de desequilibrar por completo a estrutura do V. Guimarães. Foi sempre muito combativo.

Estupiñán
Saltou mais alto do que toda a gente a instantes do intervalo a relançar a partida com um golpe de cabeça. Lutou muito no ataque do Vitória, muitas vezes numa missão diferente daquela que é a sua.

João Mário
Não estava escalado para o jogo, mas cedo teve de render Taarabt. A frio, num jogo a um ritmo frenético tentou serenar os ânimos e jogar com critério no miolo encarnado.

Bruno José Ferreira / Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães