Chapeau!

Que outra forma haverá de começar a crónica do V. Setúbal-Benfica sem a devida vénia a Guedes.

O experiente avançado não marcava um golo desde a época 2017/18, foi lançado num cenário adverso (com 0-2 a 10 minutos do fim) e com dois golos, o último numa fantástica bicicleta, aumentou a temperatura de uma noite fria ao cair do pano.

A dependerem do desfecho do jogo no D. Afonso Henriques entre V. Guimarães e Sp. Covilhã para seguirem em frente na Taça da Liga, as águias acabaram por se despedir da prova sem cumprir sequer os requisitos mínimos.

Bruno Lage avisara na véspera que não ia mudar a forma como os encarnados têm encarado a prova em 2019/20 e apresentou no Bonfim um onze com nove alterações e o estreante e errático Morato ao lado de Jardel, poupando os principais elementos de uma equipa sobrecarregada no último mês com uma média de um jogo a cada três dias. A juntar a isso, é justo destacar que a ténue crença num milagre natalício (V. Guimarães vacilar em casa) também terá contribuído para que o campeão nacional encarasse, pela terceira (e última) vez esta época, um jogo da Taça da Liga como uma espécie de incubadora de ideias.

Houve coerência na abordagem do técnico do campeão nacional e, até, no resultado que se registou ao cabo dos 90 minutos: mais um empate, o terceiro em três jogos.

Depois de uma primeira parte na qual o Benfica teve mais bola, mas as melhores ocasiões pertenceram ao V. Setúbal, que apostou fortemente no jogo pelos flancos mas ficou privado do velocíssimo Hildeberto, que saiu com uma lesão muscular aos 39 minutos, os golos apareceram.

Foram quatro na etapa complementar, que ajudaram a tornar o frio e o vento mais suportáveis.

Aos 48 minutos, Raúl de Tomás aproveitou uma oferta de Carlinhos. Numa tentativa de atrasar a bola para a defesa, o médio sadino isolou o avançado espanhol, que inaugurou o marcador.

Uma bola no poste, a entrada de Chiquinho a abanar o jogo, nova substituição forçada no Vitória (Meira saiu para entrar Pirri) e novo golo do Benfica, num remate forte e colocado de Jota, pareciam dar o jogo como encerrado e os sinais até iam nesse sentido.

Mas na noite da depressão Fabien, o ciclone Guedes desceu ao Bonfim para um plot twist hollywoodesco. Empatou aos 83 minutos de cabeça, aproveitando uma saída mal medida de Zlobin a um cruzamento, e fez o 2-2 final já em tempo de compensação, com o momento de maior inspiração do jogo.

Sábado, 21 de dezembro de 2019: a noite em que Guedes voltou a ser assunto trend nas redes sociais em Portugal.

Chapeau!

David Marques / Estádio do Bonfim, Setúbal