Lito Vidigal, treinador do V. Setúbal, em declarações aos jornalistas após a derrota com o Famalicão por 2-1:

«No momento em que estamos não interessa muito falar em justiça. Mais importante é conseguir pontos e não conseguimos.

Sinto que a equipa tem crescido nestes poucos dias. Tem-nos faltado um pouco de sorte. Temos tido alguns jogadores que não podem jogar por lesão e melhorámos nos sentidos de não discutir muito. A equipa trabalha cria, [mas] não fomos felizes.

Mas há seis pontos ainda em jogo e vamos acreditar e trabalhar muito, porque o nosso objetivo mantém-se bem definido.

Nunca iria dizer que não ao Vitória. Sei que vai ser duro até ao fim, mas vamos trabalhar e acreditar até ao último segundo que vamos ficar na Liga.

É duro, mas temos de aprender com isso e tornarmo-nos fortes. Temos de continuar a trabalhar na motivação e acreditar no que estamos a fazer.

Ninguém desiste aqui e eu não vou desistir nunca. O Vitória é um clube enorme, tem uma massa adepta grande e sei que se tivéssemos jogado com a nossa massa adepta este resultado não teria acontecido. No mínimo conseguiríamos um ponto. Temos sentido a falta deles.»

[Golo sofrido perto do fim é o espelho do momento psicológico da equipa?]

«Há esse peso, mas posso garantir que a equipa melhorou muito nesse sentido.»

[Sobre a lesão de Guedes, que deslocou o ombro]

«Tem-nos faltado alguma sorte. No primeiro jogo que fizemos não pudemos contar com quatro jogadores que têm jogado: alguns por lesão, outros por castigo. Hoje não pudemos contar com todos, mas já pudemos contar com Guedes. Espero que recupere o mais depressa possível para fazermos as melhores escolhas no próximo jogo.»

David Marques / Estádio do Bonfim, Setúbal