No programa Mais Bastidores desta quarta-feira, Nuno Dias e Rui Pedro Braz trouxeram informações exclusivas sobre o regresso de Jorge Jesus ao Estádio da Luz.

O que separa Jesus do Benfica? “Meio milhão de razões, que é o mesmo que dizer que há uma diferença de meio milhão de euros na proposta de contrato de Luís Filipe Vieira”.

Rui Pedro Braz explica que a primeira oferta incluía cinco anos de contrato, dois milhões de euros limpos por ano. O clube das águias decidiu depois subir o valor da oferta e baixar o tempo de contrato.

Da parte do treinador, o acordo será feito caso o contrato dure três anos, o salário limpo ascenda aos três milhões e meio de euros, a vinda de toda a sua equipa técnica, o pagamento da cláusula de rescisão do Flamengo e o reembolso do milhão de euros que o Flamengo antecipou a Jesus no início do contrato.

O Mais Bastidores avança ainda que a proposta feita por Luís Filipe Vieira neste momento oferece dois anos de contrato, três milhões de euros por ano e impõe limite de adjuntos, sendo que o reembolso e a cláusula pedidos por Jesus estão garantidos.

Outro tema em destaque é o clássico entre o Sporting e o FC Porto que irá ditar se os dragões festejam o título na noite desta quarta-feira.

Nuno Dias acredita que “há uma boa conjugação de ingredientes e que o jogo vai trazer um FCP constante e poderoso frente a um Rúben Amorim que ainda não perdeu e que sabe que ainda pode largar o terceiro lugar para a equipa que treinava anteriormente” - o SC Braga.

 

“Vai ser um Sporting a jogar com uma equipa que pode assustar”, mas Rui Pedro Braz acredita que aquilo que os jovens têm demonstrado ultimamente não vai ser suficiente para impedir a festa do título. Ainda que alguns dos jogadores mais novos já possam estar a ser sondados por equipas europeias.

“Admito que Jovane e Plata estejam a ser sondados por clubes europeus”, afirma Rui Pedro Braz.

O FC Porto vai para campo com baixas de peso: Marcano, Corona, Uribe e Sérgio Oliveira, “jogadores que podem mexer com a dinâmica da equipa”.

A notícia de que o muro da casa de Luís Filipe Vieira foi vandalizado com palavras de protesto também foi um dos temas discutidos, com Rui Pedro Braz a afirmar que os grafittis a vermelho mostram o cansaço por parte dos adeptos, especialmente um dia após o presidente do SLB ter sido acusado de fraude fiscal.

 

Ainda no tema das acusações a Luís Filipe Vieira, que esteve em grande destaque no programa desta terça-feira, Rui Pedro Braz respondeu ao tweet do ex-ministro Miguel Poiares Maduro que,  “de forma cobarde”, “pegou num troço fora de contexto do programa e disse que eu estava a insinuar que apoiava as fugas ao fisco”, afirmou o comentador, sublinhando que nunca o fez, não o faz e nunca fará.

  

Rui Pedro Braz remata dizendo que “muitos políticos prevaricam, mas o futebol é o bode expiatório”.