A União Europeia deverá pagar mais de 10 mil milhões de dólares, cerca de nove mil milhões de euros, para assegurar centenas de milhões de doses de vacinas contra a covid-19 produzidas pela Pfizer-BioNTech e pela CureVac. 

A informação foi avançada à agência Reuters por uma fonte oficial da União Europeia que está envolvida nas negociações com as farmacêuticas. 

Segundo a Reuters, a UE concordou pagar 15,50 euros por cada dose da vacina desenvolvida pela Pfizer e BioNTech, ou seja, um total de 3,1 mil milhões por 200 milhões de doses. Mas o custo pode chegar aos 4,65 mil milhões se foram adquiridas mais 100 milhões de doses adicionais. 

Até agora, não eram conhecidos preços deste acordo e, a confirmarem-se os valores, a UE pagará menos do que os Estados Unidos pela vacina. O acordo da UE com a Pfizer prevê ainda uma compensação no caso de a farmacêutica desviar doses da vacina para os Estados Unidos. Nessa eventualidade, os estados europeus seriam reembolsados em 50% do valor pago. 

O preço mais baixo para a UE reflete o apoio financeiro dos países europeus à alemã BioNTech para o desenvolvimento da vacina, disse fonte próxima do processo à agência Reuters. 

Para assegurar o fornecimento da vacina, a UE pagou uma entrada não reembolsável à Pfizer-BioNTech. Ainda que o montante deste pagamento não tenha sido revelado, a mesma fonte disse à Reuters que foi de cerca de 700 milhões de euros. 

Paralelamente, a UE vai pagar 10 euros por cada uma das 225 milhões de doses da potencial vacina da alemã CureVac, o que significa que obterá um desconto de dois euros do preço que a biofarmacêutica tinha inicialmente definido. Ao todo, porém, o acordo prevê a entrega pela CureVac de até 405 milhões de doses, 180 milhões das quais são opcionais.  Ainda que não haja confirmação do preço das doses opcionais, a mantererem-se os dez euros, a UE pagará 4,05 mil milhões por 405 doses.

O parceiro da Pfizer, a BioNTech, anunciou que pretende apresentar ainda esta sexta-feira um pedido de emergência para aprovação junto da FDA (Food and Drug Administration)", a agência federal responsável pelo controlo e supervisão do setor alimentar e farmacêutico. 

Uma licença de emergência é uma licença temporária ou concedida sob condições para responder a uma situação urgente, como uma pandemia. Pode ser revogada ou modificada se surgirem novos dados sobre eficácia ou segurança. 

A Pfizer, gigante farmacêutico americano, e a BioNTech, uma empresa alemã de biotecnologia, anunciaram na quarta-feira que a sua vacina é 95% eficaz na prevenção da covid-19, de acordo com os resultados do seu ensaio clínico.

A FDA não adiantou quanto tempo levará a analisar os dados sobre a eficácia e segurança das vacinas, os dois principais critérios.

Bárbara Cruz