Portugal foi distinguido como melhor destino turístico do mundo pelo terceiro ano consecutivo pelos World Travel Awards, numa cerimónia que se realizou hoje em Mascate, Omã.

Esta distinção foi atribuída pela primeira vez a Portugal em 2017, renovada em 2018 e, novamente, em 2019, sendo que já em junho, o país tinha sido reeleito o melhor Destino Turístico da Europa também pelo terceiro ano consecutivo, na ocasião numa cerimónia que decorreu na Madeira.

Este prémio, pelo facto de ser um prémio internacional e pela terceira vez consecutiva, prova o esforço evidente que tem sido feito, quer pelas entidades públicas, quer pelas entidades privadas, para que Portugal seja de facto um destino de eleição no que toca ao turismo”, disse à agência Lusa a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

E prosseguiu: “Esta é uma estratégia que tem vindo a ser desenhada há largos anos – nós temos a nossa Estratégia Turismo 2027 que é um documento que resultou de um esforço aturado por parte de todos os parceiros públicos e privados e que aponta para que os nossos esforços sejam no sentido de Portugal ser o destino mais sustentável do mundo”.

É para isso que trabalhamos todos os dias. O nosso objetivo é que Portugal seja reconhecido como o destino mais sustentável do mundo e este prémio vem reconhecer isto mesmo”, salientou a governante.

Para Rita Marques trata-se de uma notícia que “volta a confirmar” que Portugal é “o melhor destino turístico” regional e mundial, pelo que considerou que “é uma honra” ter recebido este prémio e frisou distinguir a “excelência de Portugal e dos portugueses”, elevando simultaneamente “a exigência”.

Estes “são prémios internacionais, dados por uma entidade isenta, reconhecida e com ‘expertise’ no tema e, portanto, é de facto o reconhecimento mais elevado que podíamos obter, pois acabam por ser os Óscares do Turismo”, disse ainda a secretária de Estado.

“Estes prémios acabam por ser uma ação promocional muito importante para nós, porque a concorrência era grande, são prémios muito cobiçados, todos os países fazem o seu melhor e é bom ver que realmente o nosso melhor é de facto o melhor de todos”, sublinhou a governante.

Além de Portugal, estavam nomeados para este prémio o Brasil, Colômbia, Costa Rica, Dubai, Grécia, Índia, Indonésia, Jamaica, Quénia, Malásia, Maldivas, Maurícias, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, áfrica do Sul, Espanha, Sri Lanka, Estados Unidos e o Vietname.

O Turismo de Portugal foi também distinguido, pelo terceiro ano consecutivo, como o “Melhor Organismo Oficial de Turismo do Mundo” nos World Travel Awards, anunciou a entidade.

O facto de ser o terceiro ano consecutivo que a Autoridade Turística Nacional é distinguida como a ‘Melhor do Mundo’ não é mais do que o reconhecimento do sucesso da Estratégia Turismo 2027 e do compromisso deste organismo com a persecução dos objetivos por ela definidos”, afirma o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, citado em comunicado.

Acima de tudo, estão de parabéns todos os colaboradores do Turismo de Portugal por saberem liderar o turismo do futuro e mostrarem-se à altura deste desafio que é afirmar Portugal como destino turístico de excelência”, acrescentou o responsável.

Lisboa eleita Melhor Destino ‘City Break’

A cidade de Lisboa foi eleita, pelo terceiro ano consecutivo, o Melhor Destino ‘City Break’ do Mundo nos World Travel Awards (WTA), prémio que foi atribuído hoje, a par da distinção de Portugal como Melhor Destino Turístico do Mundo.

Na cerimónia de apresentação dos denominados ‘óscares’ do turismo, que se se realizou em Mascate, capital de Omã, os WTA atribuíram, também, à Parques de Sintra, pelo sétimo ano consecutivo, o prédio de Melhor Empresa do Mundo em Conservação, distinção que “reconhece a eficácia da sua gestão dos valores patrimoniais que lhe foram confiados”.

Para a Associação Turismo de Lisboa (ATL), a distinção da capital portuguesa como Melhor Destino ‘City Break’ do Mundo é o reflexo da “atratividade e qualidade da oferta” da cidade no que respeita a estadias de curta duração.

Com a atribuição deste prémio, Lisboa volta a elevar os níveis mundiais de excelência no setor e a estabelecer níveis de qualidade a que outras cidades devem aspirar”, apontou a associação.

A diretora executiva da ATL, Paula Oliveira, destacou o trabalho desenvolvido na “requalificação do património, promoção do destino e melhoria da oferta cultural, gastronómica e turística”, que tem posicionado o destino de Lisboa como “uma referência no que diz respeito às boas-práticas”, o que se reflete nestas distinções.

O projeto de reabilitação do Novo Cais de Lisboa, apresentando na quarta-feira, é um dos exemplos de como “Lisboa continua a reinventar-se e a inovar para continuar a superar as expectativas” dos lisboetas e de quem visita a cidade, indicou a responsável da ATL, realçando o trabalho da associação, que tem sido o principal impulsionador do reconhecimento da capital portuguesa nos WTA.

Em 2018, Lisboa conquistou, pela primeira vez, o prémio de Melhor Cidade Destino do Mundo e, pela segunda vez consecutiva, o Melhor Destino para ‘City Break’, nos WTA.

Recentemente, em junho deste ano, Lisboa recebeu três distinções europeias nos WTA, entre as quais a atribuição, pela primeira vez, de Melhor ‘City Tourist Board’ à ATL “como reconhecimento da excelência do trabalho que tem realizado para desenvolver o turismo” na cidade.

Relativamente ao prédio de Melhor Empresa do Mundo em Conservação, a Parques de Sintra salientou que foi, novamente, a única entidade europeia nomeada nesta categoria, considerando que os prémios representam “uma das distinções mais importantes que as empresas deste ramo podem receber, sendo a marca reconhecida globalmente como selo de qualidade”.

Na perspetiva da presidente do conselho de administração da Parques de Sintra, Sofia Cruz, a distinção atribuída pelos WTA “reafirma o reconhecimento internacional da excelência do trabalho que os colaboradores da empresa realizam diariamente”, no âmbito da conservação, da recuperação e do restauro dos parques e monumentos sob sua gestão.

Esta nova distinção constitui um importante estímulo para continuarmos a levar a cabo a nossa missão com o padrão de exigência que nos tem permitido alcançar estes e outros reputados galardões”, afirmou Sofia Cruz, destacando a partilha de conhecimento, nomeadamente com a comunidade científica, para desenvolver sinergias que permitam ultrapassar os desafios que se colocam na gestão do património.

O projeto de recuperação do Convento dos Capuchos, que será disponibilizado ao público em 2020, é uma das ações de conservação e restauro do património que está a ser desenvolvida pela Parques de Sintra.

A empresa Parques de Sintra é responsável pela gestão do Parque e Palácio Nacional da Pena, dos Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, do Chalet da Condessa d’Edla, do Castelo dos Mouro, do Palácio e Jardins de Monserrate, do Convento dos Capuchos e da Escola Portuguesa de Arte Equestre.

Este ano, estes monumentos e parques já receberam mais de três milhões de visitas, informou a Parques de Sintra.

/ BC