O mais recente surto do novo coronavírus na China alastrou para a segunda maior cidade da região autónoma de Xinjiang, no extremo noroeste do país, revelaram as autoridades.

Um dos 17 novos casos anunciados foi diagnosticado na cidade histórica de Kashgar, detalhou o governo regional.

Os restantes casos foram diagnosticados em Urumqi, a capital da região, onde todos as outras infeções foram contabilizadas desde o início do surto, na semana passada.

As autoridades de Urumqi aprovaram medidas de prevenção, como suspender o metropolitano local e cancelamento de centenas de voos.

Xinjiang é uma região vasta, de montanhas e desertos, com baixa densidade populacional, ocupando uma área quase 18 vezes superior à de Portugal.

A região não foi afetada durante o pico do surto na China, nos meses de fevereiro e março.

A China também revelou hoje que 5.370 pessoas foram presas por crimes relacionados com o surto, entre janeiro e junho. Mais de 40% foram acusadas de fraude, anunciaram as autoridades.

Outros 15% foram acusados de obstrução na aplicação da lei e outros de produzir e vender mercadorias falsas e de má qualidade, perturbar a ordem pública e transportar e vender espécies ameaçadas de extinção.

A China aprovou nova legislação para proteger animais selvagens após o surto, que pode ter tido origem em morcegos antes de contagiar seres humanos, por meio de uma espécie intermediária, possivelmente o pangolim.

De acordo com os dados oficiais, desde o início da epidemia, a China registou 83.682 infetados e 4.634 mortos devido à covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 601 mil mortos e infetou mais de 14,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

/ AM