O número de vítimas mortais do coronavírus subiu para 56, anunciou este sábado o governo chinês, citado pela agência noticiosa AFP.

A China confirmou, ainda, a existência de 688 novos casos registados só este sábado.

Os últimos dados de Hubei, epicentro do contágio, elevam para 1.610 o número total de casos de infeções confirmadas no conjunto do país, de acordo com as informações do governo central.

O Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) tinha informado hoje que foram reportados 1.350 casos laboratorialmente confirmados de infeção desde 31 de dezembro, maioritariamente na China, incluindo 15 profissionais de saúde.

Além da China, Macau e Hong Kong, foram confirmados casos de infeção em Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, França e Austrália. Canadá e Portugal têm um caso suspeito.

Os primeiros casos do vírus “2019 – nCoV” apareceram em meados de dezembro na cidade chinesa de Wuhan, capital e maior cidade da província de Hubei, no centro da China, quando começaram a chegar aos hospitais pessoas com uma pneumonia viral.

Os sintomas destes coronavírus são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.

Ao longo dos últimos dias, as autoridades chinesas proibiram as entradas e saídas de Wuhan e várias cidades na região, afetando mais de 50 milhões de pessoas, e decretaram que apenas veículos de emergência podem circular na cidade onde teve origem o surto.

Também em Wuhan começou a ser construído um novo hospital, com capacidade para 1.300 pacientes, que estará concluído em duas semanas, e foi anunciado o envio de equipas de médicos militares especialistas para a província de Hubei.