Um dos autores do ataque, que fez quatro mortos e 17 feridos em Viena na segunda-feira, era "um simpatizante" do Estado Islâmico (EI), anunciou esta terça-feira o ministro do Interior austríaco.

"É uma pessoa radicalizada que se sentia próxima do EI", disse Karl Nehammer, em conferência de imprensa, referindo-se a um dos autores do tiroteio, que morreu numa troca de tiros com a polícia, enquanto um agente ficou gravemente ferido. Pelo menos um segundo atacante fugiu.

A polícia, que fez buscas na casa onde vivia o atacante abatido pelas forças de segurança, não descarta a possibilidade de haver mais pessoas implicadas no crime.

"Não podemos excluir que haja mais agressores", apontou o responsável da Polícia de Viena, Gerhard Pürstl, durante a conferência de imprensa.

De acordo com informações avançadas pelo semanário Falter, o atacante abatido é um jovem nascido na Áustria, em 2000, filho de imigrantes naturais da Macedónia do Norte com raízes albanesas. 

Cinco pessoas morreram, incluindo o atacante, e 17 ficaram feridas, numa série de ataques com armas automáticas na noite de segunda-feira em Viena, segundo um novo balanço das autoridades austríacas, citadas pela Reuters.

A última vítima mortal é uma das mulheres hospitalizadas que não resistiu à gravidade dos ferimentos.

O ataque, o primeiro em Viena em 35 anos, começou com um tiroteio por volta das 20:00 de segunda-feira (19:00 em Lisboa) numa rua central onde fica a sinagoga principal de Viena, então fechada, próxima de uma área de bares muito frequentada.

Estou feliz que os nossos polícias já tenham eliminado um dos autores. Nunca seremos intimidados pelo terrorismo e lutaremos contra esses ataques com todos os meios", disse o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, que classificou os atos de "ataques terroristas nojentos".

Nassa altura, o chanceler disse que ainda não eram conhecidos motivos para os ataques, afirmando apenas que "um motivo antissemita" não podia ser descartado, "pelo lugar onde começou".

Depois do ataque inicial na rua onde fica a sinagoga, os atacantes deslocaram-se pelo centro da cidade, disparando sobre quem ocupava as esplanadas.

Centenas de pessoas refugiaram-se em bares e restaurantes, muito lotados devido a um novo confinamento que começa hoje, para prevenir a propagação da covid-19.

Na Ópera de Viena, ou em salas de concerto como o Konzerthaus ou o Musikverein, muito perto da cena, milhares de pessoas permaneceram no interior durante horas, até saírem sob escolta policial.

As autoridades montaram um enorme dispositivo de segurança para localizar pelo menos um terrorista que fugiu, com dezenas de agentes das forças especiais e especializadas em ações antiterroristas a participarem nos esforços de busca, que também inclui o controlo das fronteiras.

O Governo austríaco alertou que a situação de perigo ainda não passou, e pediu aos cidadãos para não saírem de casa, a não ser que seja estritamente necessário.

O último ataque em Viena ocorreu em 1985, quando o grupo palestiniano Abu Nidal matou três pessoas e feriu 39 no aeroporto da cidade.

Merkel condena ataque e diz que "terrorismo islâmico" é "inimigo comum"

 A chanceler alemã, Angela Merkel, condenou esta terça-feira o ataque em Viena que fez quatro mortos e 15 feridos, na noite de segunda-feira, afirmando que "o terrorismo islâmico" é um "inimigo comum".

A luta contra estes assassinos e instigadores é a nossa luta comum", disse Merkel, de acordo com uma mensagem divulgada pela porta-voz da chanceler na rede social Twitter.

Na nota, a chanceler alemã expressou também solidariedade à Áustria, depois dos ataques no centro de Viena na noite de segunda-feira, em que morreram quatro pessoas, incluindo um dos atacantes.

Estou, neste momento terrível, em que Viena é alvo da violência terrorista, com os meus pensamentos nas pessoas e nas forças de segurança que enfrentam este perigo", acrescentou a chanceler, na mensagem.

Rússia condena ataque terrorista e oferecem solidariedade

A Rússia e a Turquia condenaram o ataque realizado na segunda-feira à noite em Viena, Áustria, que matou cinco pessoas e deixou 17 feridas, oferecendo solidariedade e colaboração na luta contra o terrorismo.

Num telegrama de condolências enviado ao presidente e ao chanceler austríaco, Alexander Van der Bellen e Sebastian Kurz, respetivamente, o presidente da Rússia garantiu que o seu país irá colaborar com a comunidade internacional na luta contra o terrorismo.

Na mensagem, Vladimir Putin condena o crime “cruel e cínico”, considerando que constitui mais uma confirmação “da essência desumana do terrorismo”.

No entanto, sublinhou, “as forças do terror não serão capazes de intimidar ninguém ou semear discórdia e inimizade entre pessoas de diferentes religiões”.

O chefe do Kremlin reiterou ainda a disponibilidade da Rússia em “aumentar a interação com a Áustria e outros membros da comunidade internacional para lutar contra todas as formas e manifestações de terrorismo”.

Putin transmitiu condolências e apoio às famílias dos mortos e desejou uma rápida recuperação de todos os feridos.

/ RL/BC - atualizada às 09:50