Como se não bastassem as mais recentes tiradas e medidas do novo presidente brasileiro Jair Bolsonaro, agora a imprensa e redes sociais brasileiras divulgam uma declaração da nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, também advogada e pastora evangélica, de 54 anos, que está a ser considerada sexista por vários sectores da sociedade brasileira.

Menino veste azul e menina veste rosa! Atenção! Atenção! É uma nova era no Brasil: menino veste azul e menina veste rosa!", são as palavras de Damares Alves, gritadas em euforia generalizada numa sala, que a imprensa brasileira não consegue localizar, e onde se veem apoiantes com as bandeiras brasileira e israelita.

Face à polémica criada com o vídeo e com as declarações, a nova ministra veio a terreiro explicar-se e justificar-se.

Em entrevista ao Jornal das Dez da GloboNews, Damares Alves assumiu que não se arrepende da declaração polémica, proferida após assumir o cargo. Mas, também preferiu não carregar na nota e tentar amenizar as desconfianças causadas em muitas comunidades, especialmente a vasta população brasileira que defende a causa LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis).

Foi uma metáfora. Nós temos no Brasil o 'Outubro Rosa', que diz respeito ao câncer de mama com mulheres, temos o 'Novembro Azul', que é com relação ao câncer de próstata com o homem. Então quando eu disse que menina veste cor de rosa e menino veste azul, é que nós vamos estar respeitando a identidade biológica das crianças", disse Damares Alves.

Apesar das explicações, várias figuras públicas e organizações condenaram as palavras da ministra, considerando-as, no mínimo, sexistas.

A Associação brasileira de Travestis e Transsexuais publicou um comunicado considerando que a declaração da ministra "fere a liberdade individual, o direito à autodeterminação e a dignidade da população trans". Já o cantor e compositor Caetano Veloso optou por publicar uma foto, com uma camisola cor de rosa, com a frase "Proteja seus amigos".

Bolsonaro intervem

Alvo de polémicas, desde que foi empossado presidente - legalização da posse de arma para cidadãos sem cadastro, ameaça de despedimento de funcionários públicos socialistas ou comunistas, transferência para o Ministério da Agricultura da demarcação de terras indígenas - Jair Bolsonaro viu-se obrigado a sair a terreiro, face às declarações da sua ministra.

Mesmo não tendo tendo mencionado qualquer episódio especifico que tenha motivado a declaração, na quinta-feira, através da rede Twitter, prometeu que no seu governo "não haverá abandono de auxílio a qualquer indivíduo nas diretrizes de direitos humanos".

Pé de goiaba

Apesar de se justificar e recusar por completo assumir que, no mínimo, terá "metido um pé na jaca" - expressão brasileira semelhante a cometer uma "argolada", Damares Alves é já há alguns tempos presa do anedotário brasileiro.

Recentemente, voltou a ser divulgado um vídeo seu durante um culto evangélico, em que Damares relembrou a sua experiência quando jovem, em que afirma ter visto "Jesus se aproximando do pé de goiaba", ao qual tinha trepado, quando "ia comer o veneno" para se suicidar.

A visão, segundo a agora ministra, levou-a não ingerir o veneno. Por isso, está viva.