O principal suspeito do ataque terrorista na que vitimou 49 pessoas, na sexta-feira, em Christchurch, Nova Zelândia, ficou em prisão preventiva depois de ser ouvido por um tribunal daquele país. Brenton Tarrant poderá ser condenado a prisão perpétua. 

A audiência durou breves minutos e decorreu à porta fechada, por razões de segurança. A cara do terrorista, nas imagens disponibilizadas, aparece sempre pixelizada sendo que a próxima sessão está marcada para 5 de abril. 

Sabe-se já que o terrorista passou pela Europa, incluindo Portugal,  enquanto planeava o ataque, contou Brenton Tarrant num manifesto publicado antes de dar início ao massacre.

Em reação ao ataque, O imã que liderava a oração na mesquita de Linwood quando um homem armado matou várias pessoas naquele templo disse, esta sexta-feira, que o ato não vai mudar o amor dos fiéis pela Nova Zelândia.

Ainda amamos este país", sublinhou Ibrahim Abdul Halim, imã da mesquita em Christchurch. "[Os extremistas] Nunca vão quebrar a nossa confiança", acrescentou.

No total, 49 pessoas morreram e 48 ficaram feridas no ataque às duas mesquitas na Nova Zelândia. A polícia neozelandesa, procedeu ainda à desativação de explosivos num carro no centro da cidade de Christchurch.

Os 48 feridos, entre eles crianças, ficaram hospitalizados devido a ferimentos a bala no hospital de Christchurch. Cerca de dez tiveram de ser operados de urgência no hospital depois do ataque. 

Este ataque motivou uma onda de solidariedade em todo o mundo. A primeira-ministra neozelandesa considerou o dia 15 de março como o mais negro na história do país.