O australiano Brenton Tarrant, apontado como autor do atentado terrorista em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, vai ser submetido a duas avaliações para determinar o seu estado mental, ordenou hoje o juiz encarregue do caso.

O juiz Cameron Mander, do tribunal superior da cidade de Christchurch, pediu dois relatórios preliminares para avaliar a capacidade do homem em se declarar inocente ou culpado das 50 acusações de homicídio, uma por cada vítima mortal do ataque, e 39 por tentativa de homicídio.

O magistrado defendeu que as avaliações fazem parte dos procedimentos judiciais regulares, garantindo que estes não afetam o direito do réu a um julgamento justo.

Tarrant, de 28 anos, havia expressado a sua intenção de assumir a sua defesa legal, mas o réu já concordou em ser representado pelos advogados Shane Tait e Jonathan Hudson.

Breton Tarrant ficará detido pelo menos até à próxima comparência em tribunal, agendada para 14 de junho, data em que os resultados da avaliação da saúde mental do acusado devem ser conhecidos.

Entretanto, a polícia da Alemanha anunciou que o suspeito do ataque enviou dinheiro para um grupo de extrema-direita em França.

Na investigação que as autoridades da Alemanha estão a fazer sobre as ligações de Breton Tarrant ao país, é referido que o suspeito enviou cerca de 2.200 euros, em 2017, ao grupo francês Identidade Geracional.

Cinquenta pessoas perderam a vida e outras tantas ficaram feridas no ataque indiscriminado contra muçulmanos que se encontravam nas duas mesquitas antes da oração do meio-dia de 15 de março.